Conjuntivite em bebê: conheça os sintomas e tratamentos

conjuntivite em bebês

Uma infecção ocular muito comum: conjuntivite em bebês. Ela pode ser originada a partir de diferentes causas, mas o cuidado e tratamento são simples

A conjuntivite em bebê é uma inflamação da conjuntiva, uma doença comum na infância. Pode ser causada por vírus, bactérias ou alérgenos e é geralmente acompanhada por um resfriado ou dor de garganta.

Essa condição pode fazer com que os olhos do bebê fiquem vermelhos, inchados e com coceira. Seu filho também pode ter uma secreção ocular. 

Devido à dilatação e inflamação causada nos vasos sanguíneos oculares, o olho da criança fica rosado ou avermelhado, por isso a doença também é conhecida como “olho rosa”.

Na maioria das situações, a conjuntivite se resolve sozinha em uma ou duas semanas. Porém, dependendo do caso, ela deve ser tratada com antibióticos ou medicamentos antialérgicos.

Tipos de Conjuntivite

Para determinar o melhor cuidado e que tratamento oferecer para o seu bebê com conjuntivite, primeiro é preciso identificar o tipo de conjuntivite contraída. 

Para isso, abordaremos alguns dos principais tipos de conjuntivite tanto em recém nascidos quanto em bebês acima de 1 ano.

Conjuntivite neonatal séptica

Causada pelo colírio de nitrato de prata, essa conjuntivite ocorre em recém nascidos e pode aparecer com até um mês de vida do bebê. Apesar da vermelhidão, que preocupa os pais, a tendência é que suma em alguns dias. 

Determinado por lei, o uso desse colírio pode ser vetado pelos pais da criança, entretanto, tudo deve ser conversado com o médico obstetra para que as recomendações sejam seguidas. 

Conjuntivite bacteriana

A conjuntivite bacteriana é uma infecção ocular comum e altamente contagiosa em bebês. É causada por bactérias e pode ser transmitida pelo contato com os olhos, nariz ou boca. 

Esse tipo de conjuntivite deve ser tratado com rapidez para evitar complicações no futuro.  

Conjuntivite viral

Esta é uma infecção altamente contagiosa, contraída a partir do contato com alguns vírus. Ela pode se espalhar facilmente para outros membros da família. 

Conjuntivite alérgica

A conjuntivite alérgica é uma reação a alérgenos comuns, como pólen ou poeira. Ela é regularmente diagnosticada com base nos sintomas e no histórico de alergias do seu filho.

Principais sintomas de conjuntivite em bebês

mãe cuidando de bebê com conjuntivite

Os sintomas da conjuntivite em bebê podem variar dependendo da causa, mas geralmente incluem:

  • Vermelhidão;
  • Inchaço;
  • Corrimento ocular. 

É importante obter tratamento imediato para qualquer caso de conjuntivite infantil, pois se não for tratada, ela pode causar problemas de visão.

Os sintomas da conjuntivite bacteriana incluem febre, vermelhidão, inchaço e presença de remelas. Quando adequadamente tratada, a maioria dos casos se resolve em poucos dias.

Já se seu bebê tiver olhos vermelhos, com coceira e sensibilidade à luz, ele pode ter um tipo de conjuntivite viral. Nesse caso, pode vir associado a alguma outra infecção viral, como resfriados ou gripes.

Alguns bebês têm mais predisposição a esse tipo de conjuntivite. Os sintomas podem incluir olhos vermelhos, com coceira e lacrimejamento; coriza, espirros e erupção cutânea no rosto. 

Quais são as causas?

 A conjuntivite pode ser causada por uma variedade de fatores, incluindo bactérias, vírus, alergias e irritantes químicos. 

Na maioria dos casos, a causa é desconhecida. Algumas origens comuns de conjuntivite em bebês incluem:

  • Infecções virais, como resfriado comum ou febre;
  • Infecções bacterianas, como faringite estreptocócica ou olho rosa;
  • Alergias a poeira, pólen, pêlos de animais ou outras substâncias;
  • Irritantes como fumaça de cigarro ou poluição do ar.

Algumas causas comuns de conjuntivite bacteriana incluem Streptococcus pneumoniae e Haemophilus influenzae. 

A causa viral mais frequente é o adenovírus. As alergias podem ser causadas por uma variedade de alérgenos diferentes, sendo muito comum o pólen, pêlos de animais ou ácaros.

Em alguns casos, a raiz da doença não pode ser determinada. Se seu bebê tiver conjuntivite e você não tiver certeza do que a causou, entre em contato com seu médico para obter orientação.

Cuidados que devem ser realizados

Toda mãe quer manter seu filho saudável. Mas nem sempre vai poder evitar que ele contraia uma doença. Por isso é fundamental certifique-se de que eles estejam em dia com todas as vacinas.

Se você observar algum sinal de conjuntivite, leve seu filho ao médico imediatamente. Se viral ou bacteriana, a conjuntivite em bebês é altamente contagiosa e pode ser facilmente transmitida de para outros membros da família.

Existem muitas maneiras de cuidar de um bebê com conjuntivite, dependendo do que a está causando. 

Há algumas recomendações que os pais podem fazer quando seus filhos contraem conjuntivite:

  • Lavar as mãos com frequência e bem com água e sabão;
  • Evitar coçar ou tocar nos olhos;
  • Restringir toques no rosto, como beijos;
  • Evitar compartilhar itens pessoais, como toalhas ou panos;
  • Trocar os lençóis, toalhas e roupas diariamente durante a infecção;
  • Ficar em casa, longe da escola ou da creche.

Certifique-se de seguir todas as instruções que seu médico lhe der, tanto para cuidar dos olhos do seu filho quanto para evitar que a infecção se espalhe.

Tratamentos que você pode optar

Papais e mamães de plantão ficam angustiados ao ver seu bebê com os olhos inflamados. A primeira coisa que eles se questionam é se tem algo que possa ser feito.

Sim, existem tratamentos para conjuntivite em bebês. E ele depende da causa da doença. A boa notícia é que a grande maioria dos casos se resolve sem problemas a longo prazo.

A conjuntivite pode ocorrer em um ou ambos os olhos e está frequentemente associada a um resfriado ou outra infecção respiratória. Pode causar vermelhidão, coceira, inchaço e corrimento ocular. 

Em bebês, é importante tratar a condição rapidamente, pois ela pode levar à cegueira se não for curada. A conjuntivite é tratada com:

  • Antibióticos para casos bacterianos;
  • Medicamentos antivirais para casos virais;
  • Anti-histamínicos para casos alérgicos.

A conjuntivite não tratada pode levar a uma série de complicações graves em bebês, incluindo: 

  • Pneumonia: Esta é uma infecção grave dos pulmões que pode ser fatal;
  • Meningite: é uma infecção do cérebro e da medula espinhal que também pode ser fatal;
  • Cicatriz da córnea: isso pode causar problemas de visão mais tarde na vida.

Além disso, toda e qualquer reação alérgica do bebê deve ser tratada de perto por um especialista para que os cuidados comecem desde cedo. 

Cuidados na recuperação do bebê

Apesar da gravidade, a conjuntivite bacteriana é a mais comum entre as crianças e também a mais fácil de tratar. 

Se você suspeitar que seu filho tem conjuntivite bacteriana, consulte seu pediatra para obter recomendações de tratamento e obter a prescrição dos antibióticos mais adequados.

Já uma conjuntivite viral, normalmente, desaparece sozinha em uma ou duas semanas, sem necessidade de remédios. 

Por outro lado, o tratamento da conjuntivite alérgica pode incluir medicamentos prescritos e colírios ou pomadas vendidos sem receita médica.

De qualquer forma, existem algumas coisas que você pode fazer para ajudar a aliviar os sintomas do filho e acelerar o processo de cicatrização.

Em primeiro lugar, deixe seu bebê bem confortável. Ele estará se sentindo incomodado com os olhos, por isso, vista-o com um body para bebê e peças de roupa macias.

Mantenha os olhos do bebê limpos. Use um pano quente e úmido com uma solução salina (disponível na maioria das farmácias) para lavar os olhos e ajudar a soltar quaisquer secreções. 

Certifique-se de desinfetar superfícies com as quais a criança possa ter entrado em contato, como bancadas, maçanetas e brinquedos. 

Se seu bebê estiver em creche ou escola, notifique a equipe sobre sua condição para que eles possam tomar precauções para evitar a propagação da infecção.

E, finalmente, dê muito colo para o seu filho. Ele precisará sentir seu calor, carinho e contato. Um Wrap Sling é muito indicado para esses momentos. Apenas evite tocar diretamente nos olhos do bebê e lave sempre as mãos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima